José Picoito (1921-2003)

Desenhador, homem do desporto, jornalista desportivo

Fica aqui rememorado um dos vultos mais grados do desporto barreirense. Não por ter sido “xis vezes“ internacional nisto ou naquilo, mas por ter patenteado um eclectismo ímpar e ter mostrado grande capacidade de dirigente e na formação e promoção desportivas.
José Belchior Picoito nasceu em Aljustrel em 30 de Outubro de 1921, veio para o Barreiro com 4 anos. Frequentou então a Casa Pia, onde terminou a escolaridade e se iniciou na prática desportiva. Oficialmente, porém, o seu percurso no desporto só começou no Desportivo da CUF. Empregou-se na empresa CUF do Barreiro em Outubro de 1940, na especialidade do desenho industrial, reformando-se depois de  42 anos de serviço.
José Picoito sempre dedicou os tempos livres ao desporto, fosse como praticante, dirigente, ou na formação. De personalidade aberta e contagiante, que cativava os imprescindíveis colaboradores, foi  um desportista de porte impecável.
Mas aquilo que faz seu nome estar incluído nesta relação foi também o ter-se dedicado ao jornalismo desportivo. 
Jornalista desportivo
José Picoito iniciou-se no antigo semanário O Barreiro (com o interessante pseudónimo OTIO-CIP, que não era assim tão difícil de desvendar). Coordenou a página desportiva do Jornal do Barreiro em 1966/67, na direcção de Armando S. Pais, assinando os textos com o seu nome ou com Carlos Cassiano. Também escreveu, como correspondente desportivo, no Diário Popular, Distrito de Setúbal e Selecção.
No desporto. O dirigente
O nosso evocado tirou o curso de monitor de ginástica na antiga Escola do Exército. Praticou oficialmente, entre campeonatos federados e  corporativos (da FNAT, hoje INATEL), nada menos de seis modalidades desportivas: atletismo, ténis, voleibol, basquete, futebol e tiro a chumbo.                   
Os melhores momentos como praticante viveu-os no atletismo, como campeão nacional corporativo no salto em altura em 1948 e 1950, para além de conquistar vários títulos distritais. Sagrou-se também campeão nacional corporativo (2ª categoria) nos 1.000 m e 4 x 1.000 m. Em ténis venceu várias taças e campeonatos regionais federados em equipas e pares. Em voleibol foi várias vezes campeão distrital corporativo. E recordista nacional, em veteranos, do salto em altura. Pergunta-se: há registo de atletas mais eclécticos que José Picoito? No Desportivo da CUF parece que só não praticou hóquei, por nunca ter aprendido a andar de patins...
Mencionamos apenas uma amostra das acções de preparação e fomento do desporto em que José Picoito tomou parte. No futebol chegou a ser mesmo o preparador físico da equipa principal da CUF. Arrancou  com o basquetebol feminino na CUF, que venceu o primeiro Campeonato Regional (1963). José Picoito também se distinguiu na prática e na promoção do Lawn-Tennis,  tendo formado a primeira escola de iniciação. Lançou os primeiros jogos de veteranos em várias modalidades. Foi monitor de ginástica aqui e ali, como na SFAL, do Lavradio, ou no Operário.
Tomou parte em numerosas comissões organizadoras de torneios, festejos, etc, como a Corrida de S. Silvestre no Barreiro, o festival da inauguração do Estádio Alfredo da Silva (1965). Esteve desde o primeiro momento, em 1964, nos ainda tão recordados Jogos Juvenis do Barreiro, lançados por Augusto Valegas. José Picoito dirigiu algumas das modalidades, como atletismo, futebol de salão, andebol e hóquei em patins. Isso até quase ao fim desses jogos. Estas competições tornaram-se um exemplo no país, reproduzidas em várias localidades.
O nosso evocado foi nada menos de 17 anos dirigente do Desportivo da CUF (8 como seccionista e 9 como director). Chegou a ser o director da secção da banda. Tal como foi o sucessor do eng. Rosmaninho como Presidente da Assembleia Geral do clube, já então Quimigal. Seguiram-se uns anos como dirigente do Desportivo Quimigal. Mas, por fim já não lhe agradava a tarefa e retirou-se. Confessava que, do coração, sempre fora do Grupo Desportivo da CUF.
Galardões
Quando se retirou da carreira activa, José Picoito havia conquistado 19 taças no ténis, uma taça no tiro a chumbo e 87 medalhas no atletismo, voleibol, ténis e tiro a chumbo. Também não  poderia ter deixado de receber galardões. José Picoito foi Sócio de Mérito do Desportivo da CUF (hoje Fabril), tem seu nome gravado no átrio do Pavilhão Desportivo. Em 1997, a cidade do Barreiro outorgou-lhe, com o máximo merecimento, o diploma “Barreiro Reconhecido“.
O seu maior orgulho foram, porém,  as centenas de jovens desportistas que ajudou a formar no seu clube e durante os saudosos Jogos Juvenis. E os muitos campeões que se revelaram entre eles. José Picoito foi um grande exemplo de dedicação ao Desporto (com maíuscula) e de organizador, ao longo de mais de 60 anos.
Nos últimos anos de vida, viu-se obrigado a deixar de frequentar os círculos desportivos onde tanto se destacara. Faleceu em 6 de Agosto de 2003.
--------------------------
Nota final: Nada menos de quatro irmãos de D. Maria Mécia, esposa de José Picoito, praticaram futebol no Desportivo da CUF. Referimo-nos aos irmãos Palma, de nomes José (em 1954 o primeiro internacional júnior barreirense  e durante muitas épocas um pilar na I Divisão), Jeremias (também  titular da CUF e de outros clubes), Gregório (que, entre outros cargos, foi Vice-Presidente do Grupo Desportivo Fabril) e Milton (que emigrou para o Canadá).

A.S.P.