Barreiro Imagens

ArtBarreiro.com

Links Complementares

Contactos

 

Joaquim Alfredo Gallis
José Picoito
Miguel Correia
Alfredo Figueiras
Alfredo Zarcos
Domingos Silva
José Augusto Pimenta
Leonídio Martins
Nathércia Couto
M. Esther da Costa Figueira
A. César de Vasconcelos
Mário R. Solano "Lá-Vai"

   
 
 

José Augusto Pimenta (1860-1940)
Funcionário público, historiador, escritor, jornalista, político

José Augusto Pimenta, que veio ao mundo no Barreiro em 26 de Novembro de 1860, será sempre citado como o autor da primeira obra sobre a história e as origens da localidade onde nasceu. Sua mãe e os seis irmãos também foram nados no Barreiro.
Transcreve-se parte do “Assento de Baptismo” do nosso evocado: “... E eu, o Presbítero José Vicente Ferreira, Prior Collado desta Freguesia, baptisei solemnemente e puz os Santos Oleos a uma criança do sexo masculino, a que dei o nome de José, que nasceu ... filho legitimo primeiro deste nome de Raphael Edesio Sebastião Maria Pimenta, Boticario, natural da freguesia de Nossa Senhora dos Anjos da cidade de Lisbôa, e de D. Antonia de Jesus Correa Pimenta, natural desta freguesia de Santa Cruz...”.
Aos 27 anos, José Augusto Pimenta desposou, em Lisboa, sua prima Suzana Casal da Cunha. Esta - a última descendente da bem antiga e conceituada família barreirense Casal -  faleceu no Barreiro com 91 anos. O par não deixou descendência.
O nosso evocado - que residiu na Capital mais de 40 anos - não pôde seguir a sonhada carreira militar, dedicou-se então à função pública. Exerceu, por último, o cargo de Chefe da Secção de Tráfego da Alfândega de Lisboa.
No tocante à política, José Augusto Pimenta, monárquico liberal, militou no Partido Progressista. (Durante décadas, manteve enormes divergências políticas, e também incompatibilidade de feitios, com seu irmão João, do partido rival, o Regenerador. Recorde-se que João Dias Correia Pimenta - que sucedeu a seu pai como boticário da ainda hoje existente Farmácia Pimenta - foi o último Presidente da Câmara local do regime monárquico, tendo sido em seus mandatos que se encetou, e terminou, a construção do, naqueles tempos, magnífico edifício da Câmara Municipal).
José Augusto Pimenta, na sua longa vivência em Lisboa, fixou-se na Rua da Palma. Na Capital chegou a ocupar o cargo de Provedor da Irmandade dos Passos do Desterro. Vários anos trabalhou em Lisboa em problemas da Irmandade de N.ª Senhora do Rosário. Detinha a Cruz da Coroa Real da Prússia, de Guilherme II, e o grau de Cavaleiro da Real Ordem de Isabel a Católica, concedida por Afonso XIII.
Foi eleito deputado, por Lisboa, nas últimas eleições monárquicas, não tendo, porém, chegado a exercer o mandato devido à Revolução do 5 de Outubro de 1910. Com a implantação da República findou a sua intensa actividade política e administrativa.
Como se sabe, na I República, a Igreja de Santa Cruz, a Igreja Matriz do Barreiro, foi objecto de pilhagens legalizadas e transformada em armazém, palheiro, etc. Quando da restauração daquele templo durante a República seguinte, José Augusto Pimenta desenvolveu influências para a aquisição de valiosos donativos.
Ele sempre se deslocou com assiduidade ao Barreiro. Já na condição de reformado passava a temporada balnear na terra natal. Nunca se desligou da sua residência no 1° andar da Rua Aguiar n° 158, um prédio construído em terreno da família Casal. (O piso térreo albergou durante bons anos da primeira parte do sec. XX,  o primeiro bar moderno do Barreiro, “A Ginjinha”, explorado pelo João “da Ginja”, o procurador do nosso evocado).  
J. A. Pimenta nunca dissipou suas raízes e concepções monárquicas. Manifestou-se a favor da Ditadura Militar e do regime subsequente, chegando a afirmar, em discurso no Barreiro, que aqueles (citamos): “... permitiram a reconstrução das finanças públicas e puseram termo à lepra das revoluções periódicas e dos atentados pessoais”.
O comendador José Augusto Pimenta, de carácter e trato sempre afável, foi co-fundador da Associação dos Proprietários locais. Ainda participou na comissão barreirense das Comemorações Centenárias (Verão de 1940). Terminou a sua existência poucos meses depois, em Lisboa, no dia 30 de Novembro de 1940.
O publicista
Como dito atrás, a primeira obra histórica sobre as origens do Barreiro foi da autoria de José Augusto Pimenta, a Memória Histórica e Descriptiva da Villa do Barreiro, editada em 1886, ainda o autor residia no Barreiro e era solteiro.
Embora incompleta, a Monografia mereceu rasgados elogios quando do seu aparecimento. É certo que historiadores posteriores (como Armando S. Pais, que por fim chegou a estabelecer boa e frutuosa amizade com Pimenta) não tiveram dificuldades em apontar certas deficiências, mas é mais que justo salientar que aquela obra de investigação partiu praticamente do zero...
Desde Lisboa, J. A. Pimenta publicou, episodicamente, artigos sobre a história do Barreiro n´ O Eco do Barreiro e n´ O Barreiro, sendo colaborador mais assíduo n´ O Povo do Barreiro (1934-1936). Para publicações lisboetas assinou larga gama de textos, pelo menos, na Gazeta de Portugal, Mala da Europa, Semana Ilustrada, Gazeta da Noite, Branco e Negro e Correio da Noite, em especial sobre temas históricos, também em contos e em traduções. O nosso evocado era tio do Coronel Belisário Pimenta, ilustre historiador e publicista, que deu seu nome a relevante biblioteca em Coimbra.
Memória Histórica e Descriptiva da Villa do Barreiro (1886)
Eis um extracto dos três parágrafos iniciais da primeira obra histórica sobre a Vila do Barreiro, de que houve segunda edição. (Também respeitamos a ortografia):
“Na margem esquerda do Tejo, a nove kilometros proximamente ao sul de Lisboa, n´uma bem situada planicie, saudavel e lavada pelo norte, fica collocada a importante villa do Barreiro.
Não podemos determinar precisamente a data da sua fundação, mas o que nos afigura fóra de toda a duvida é que este sitio começou a ser povoado por pescadores vindos do Algarve que, attrahidos pela grande abundancia de peixe e marisco das aguas do Tejo, bem como pelo excellente mercado que lhes fornecia a cidade de Lisboa, vieram, pouco a pouco, desde muitos seculos, emigrando para estas paragens, onde se foram estabelecendo como actualmente sucede com o portinho d´Arrabida e tantos outros pontos da nossa costa.
O modo de fallar, bem como a accentuação da voz dos habitantes do Barreiro, tão differente do das outras povoações limitrophes, ainda as mais proximas, tem grande similhança com a dos povos do Algarve, bem como se nota ainda uma certa similhança de costumes”